Follow by Email

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Síntese & Distúrbio Verbal - Onde a Terra Sangra

Faixa extraída do EP não oficial Buracos Ao Chão.
Guia captada na Unidade II da Matrero Records.
Instrumental produzido por Willian Monteiro.
Download: http://www.mediafire.com/download/dwk...
-
Letra:
O suor escorre... a resposta imposta dropa o sangue.
Tão sério e sagrado esse cálice que transborda almas.
Jazigo lamenta a falta de ética dos semelhantes,
Séculos de tristeza, aqui, define as palmas.

Quem sai da sauna pronto para o embate, debate, e não arreda o pé?
Sem Deus todos são 'Zé', humanidade marcha ré.
O ponto de partida pro abismo.
Abismados declamam sem razão, irmão... seu sopro - um tufão.

Sangram alienação, mais batido que o carnaval,
Lamaçal, ponto final. Brasil - Projeto sal.
Besteira é não tentar entender além do atalho.
Retalho. Idéia camufla o destino falho.

Carta fora do baralho... se o trabalho não render
É hábito se render àquilo que prende o oponente.
Não quero ver como guerra,
Mas até quando o grito de paz tem que vim junto ao sangue na Terra?

É só um toque... realidade é a quebrada.
E o livro sagrado, nada mais nítido, vivo em solo inóspito.
Décadas socando a ponta de faca e a dor emana...
Não sei você, mas vivemos onde a Terra sangra.

Se não mata, ofende, aqui se interna o pranto, a guerra e o santo,
Pureza é banquete há eras, as mazelas sangram o canto.
Solo abortado, pós corrompimento, almas de cimento,
Momento de advento, não pros desaventos.

Desilusão, nova época, vida mesma,
A esmo... caçando carnaval em meio a quaresma.
Quem chuta a pedra sente a dor, mano. Luz não é amor.
Não fazes jus no se esforçar, por tentar afogar o rancor.

Sei. Quase vão esforço que não me arrebata,
Quem destrata já se perdeu, a maldade não é nata.
Mas parece que não, banco de praça é alcorão, desumanizar:
"Portão pra fora ninugém tem obrigação."

Civilizar... como preferem, na escola da maldade.
Regra zero, considere a pior atrocidade
Entre uma manobra e outra. E na ausência de uma causa,
É testa com testa, disputa e alfinete a quem contesta.

Juíz famoso é fábula. Honra é morrer com a flâmula.
Não consta na súmula quem tem a lida trêmula.
Apostasia, imposta asia. Ave Maria,
Rogai à cria nos durantes do estanque da hemorragia.

Amem.
-
Matrero, 2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário